Segunda, 28 Outubro 2019 15:12

Profissionais de frigoríficos recebem capacitação para agregar valor no processo de industrialização de suínos Destaque

Avalie este item
(1 Voto)

DSC 0680

 

Apresentar temas relevantes como a avaliação de custos e debater propostas para a otimização do processo de industrialização de suínos, esses foram os assuntos apresentados durante a capacitação “Produção de carcaça de alto valor com otimização de custos para a agroindústria”, promovida entre os dias 25 e 27 de setembro, em três frigoríficos do Estado.

 

Sob o comando do consultor da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) e especialista em qualidade de carcaça e carne suína, José Vicente Peloso, a capacitação ocorreu nos frigoríficos Mosquini, Cofril e Zucoloto, com a participação dos profissionais ligados ao controle de qualidade e gerência das três empresas.

 

DSC 0667

 

Destacando o cálculo de rendimento das carcaças (RC), Peloso enfatizou os benefícios desta contagem para os produtores de suínos e para os frigoríficos que recebem os animais para o abate. Também estiveram em pauta o poder de negociação entre produtores e frigoríficos, além dos experimentos com o sistema de tipificação (medição da quantidade de carne e gordura contidas na carcaça quente ou fria em qualquer peso dos suínos recém-abatidos) e outros itens que são importantes nos procedimentos operacionais do cálculo do RC.

 

DSC 0776

 

O consultor explicou um pouco sobre o que a consultoria pode modificar na rotina dos frigoríficos participantes. “O que nós trouxemos foram opções de avanços dentro das rotinas operacionais dos frigoríficos, referente à pesagem do animal vivo, a extinção da mesma e fazer com que todos os procedimentos de valorização da matéria-prima e do suíno sejam feitos por meio da carcaça quente, que é algo preciso, mais justo e mais eficaz em comparação com a pesagem de animais vivos numa balança rodoviária. Trouxemos também a ideia da prática de identificação das carcaças de maior valor agregado, que podem gerar benefícios no aspecto operacional e, ao mesmo tempo, na obtenção de melhores cortes”, detalha o consultor da ABCS.

 

DSC 0796

 

Ele também já projetou o cenário para a suinocultura brasileira em 2020. “As perspectivas para 2020 são muito boas, principalmente do ponto de vista do valor do suíno. Considerando a crise chinesa, as exportações irão aumentar e com isso o mercado interno conseguirá um espaço para a colocação dos produtos suínos e daqueles produtores ditos independentes ou dos menores, que não tem acesso ao mercado exportador. Eu creio que no médio prazo o cenário vai continuar bastante favorável ao produtor de suínos a aos frigoríficos”, finaliza Peloso.

 

PARCERIA - A capacitação, que contou com o apoio dos frigoríficos participantes, ocorreu com a realização da ASES, Sebrae e ABCS, essa última colaborando por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (FNDS), que tem como objetivo promover um modelo autossuficiente para dar continuidade no trabalho desenvolvido pela entidade nacional.  

Última modificação em Segunda, 28 Outubro 2019 15:24