Segunda, 25 Abril 2022 18:22

Mercado de carne suína mostra sinais de recuperação, diz Safras

Avalie este item
(0 votos)

O mercado brasileiro de carne suína segue mostrando sinais de recuperação. Segundo o analista de Safras & Mercado, Allan Maia, os preços da carcaça e do quilo vivo reagiram novamente no Centro-Sul nos últimos dias, com a reposição entre o atacado e o varejo evoluindo bem.

 

“Há perspectiva de que o ambiente de negócios possa perder um pouco de ritmo até o fechamento do mês, com o consumo impactado pela menor capitalização da população” explica.

 

Maia sinaliza que mesmo com a reação nos preços, a carcaça suína permanece bem atrativa para a população, considerando que a relação de troca com o frango congelado ainda está próxima a 1,2 em São Paulo.

 

“Isso significa que com o preço de um quilo da carcaça suína é possível comprar 1,2 quilo de frango congelado, o que pode ajudar o escoamento. Outro ponto favorável é que a concorrente carne bovina apresenta preços restritivos na ponta final para as famílias de menor renda”, avalia.

 

O analista destaca que os negócios envolvendo o quilo vivo evoluíram de maneira ajustada na semana, com registro de animais disponíveis ainda leves em várias localidades. “O controle do peso deve resultar em menor oferta à frente. As margens da atividade estão melhorando, mas ainda estão deterioradas. Desta maneira o ajuste produtivo deve seguir acontecendo no decorrer das próximas semanas”, ressalta.

 

Levantamento de Safras & Mercado apontou a média de preços do quilo vivo no país avançou 9,1% na semana, passando de R$ 5,21 para R$ 5,69.

 

A média preços pagos pelos cortes de pernil no atacado avançou 4,56%, de R$ 9,40 para R$ 9,83. A carcaça teve aumento de 13,6%, passando de R$ 8,09 para R$ 9,19.

 

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 102,676 milhões em abril (10 dias úteis), com média diária de US$ 10,267 milhões.

 

A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 46,713 mil toneladas, com média diária de 4,671 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.198,20.

 

Em relação a abril de 2021, houve baixa de 5,5% no valor médio diário da exportação, ganho de 7,1% na quantidade média diária exportada e desvalorização de 11,7% no preço médio.

 

A análise semanal de preços de Safras & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 115 para R$ 135.

 

Na integração do Rio Grande do Sul, o quilo vivo avançou de R$ 5,05 para R$ 5,10.

 

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração permaneceu em R$ 5,10.

 

No Paraná o quilo vivo mudou de R$ 5,10 para R$ 5,60 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo continuou em R$ 5,30.

 

Fonte: Canal Rural